Loading

wait a moment

Nova regra para emissão Mdf-e 3.0 e CIOT

MDF-e 3.0 e CIOT

 

Chegou a vez de falar sobre as atualizações do MDF-e, que chega na sua versão 3.0.

O transporte de mercadorias exige que alguns documentos fiscais sejam enviados junto com a carga. E é para garantir a agilidade do registro em lote desses documentos que o Manifesto foi criado, além de identificar a carga e demais características do transporte.

Está chegando o dia em que a antiga versão será descontinuada.

 

O que é MDF-e?

A sigla MDF-e significa Manifesto de Documentos Fiscais eletrônico, e foi criado para substituir o Manifesto de Carga Modelo 25. O MDF-e é o documento emitido e armazenado eletronicamente, de existência apenas digital, e serve para vincular os documentos fiscais transportados na unidade de carga utilizada.

 

Quem deve emitir o MDF-e?

Todas as empresas que emitem Conhecimento de Transporte eletrônico, transportadoras ou não, das modalidades rodoviária, aeroviária, aquaviária e ferroviária.

 

A partir do dia 02/10 a emissão do MDF-e 3.0 será obrigatória.

Aqui temos os itens que a partir de 02/10 se tornam obrigatórios para o MDF-e 3.0:

  • Número do CIOT ou Vale-Pedágio ou contratante do serviço;
  • CNPJ da Seguradora (deverá ser informado na geração do CT-e);
  • Responsável pelo seguro, nome da seguradora e número da apólice

(os dados da seguradora deverão ser informados na geração do CT-e).

  • Cidade de origem;
  • Cidade de destino;
  • UFs de percurso (caso haja);
  • Veículo principal, contendo em seu cadastro: placa, RENAVAM, tipo do veículo, tipo de rodado e UF do veículo. Caso haja veículo vinculado, este deve possuir os mesmos dados preenchidos do veículo principal;
  • Proprietário do veículo, contendo as seguintes informações: CNPJ ou CPF, Inscrição Estadual e RNTRC (Registro Nacional de Transporte Rodoviário de Cargas). O mesmo se aplicará no cadastro do veículo vinculado, caso seja usado;
  • Dados do motorista;
  • Documentos fiscais eletrônicos (CT-e ou NF-e) devidamente autorizados pela SEFAZ;
  • UF de Percurso: esta condição se aplica apenas no modal rodoviário, quando o veículo precisar passar por outro estado antes de chegar em seu destino. Por exemplo, uma mercadoria com origem SP e destino BA, deverá antes passar por MG. Esta será a UF de percurso.

 

Você já gera CIOT?

Tem interesse na Solução Integrada da Solyos?

Entre em contato conosco!

e-mail: ricardoas@solyos.com.br

41-3091-8200

 

Você também pode gerar o CIOT de forma gratuita por meio das Administradoras de Meios de Pagamento Eletrônico de Frete:

http://www.antt.gov.br/cargas/Instituicoes_de_Pagamento_Eletronico_de_Frete.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *